quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Nos últimos dias, todos os dias

Entro em discussões sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Entro porque interessa. Porque é preciso. Porque de cada vez que alguém agride alguém isso também me diz respeito. Por isso:

Paremos todos de dizer que se está a discutir o casamento gay, o casamento homossexual ou o casamento entre homossexuais. O que se está a discutir é o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Por agora, em Portugal, dois homossexuais podem casar-se (numa igreja, numa praia, num cartório, no quintal). O que ainda não acontece em Portugal (e note-se que o ainda tem que ter aqui muita força) é o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. O que ainda não acontece em Portugal é o acesso ao casamento civil por parte de todos. Ou seja, o que se discute são direitos fundamentais, não copos de água.

Há um sentimento primário que não entendo no meio disto tudo. O que incomoda tanto tanta gente que ao seu lado alguém queira ser feliz? O que incomoda tanto tanta gente que alguém queira comprometer-se perante a lei e o Estado a cumprir como marido ou mulher (como cônjuge)? Porque é que de cada vez que se fala sobre isto há alguém que diz que não acha bem, que lhe faz impressão, que lhe dá nojo? De onde, de que lugar no cérebro, lhe vem esta ideia?

Quando Espanha (que nem sequer é bem um país) aprovou a lei que permitia o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, o primeiro-ministro José Luis Zapatero disse, perante os deputados, que aquela lei pretendia construir um país "mais decente". Porquê? Porque, para Zapatero, "uma sociedade decente é aquela que não humilha os seus membros". E pronto, é isto, só isto. É só esta a ideia que nos falta perceber. Será que é preciso chamar cá o Zapatero?

22 comentários:

SMS disse...

ZA-PA-TE-RO! ZA-PA-TE-RO! ZA-PA-TE-RO!

gata disse...

"dá-le", amiga. já tinha saudades de te ver assim entusiasmada com alguma coisa. e nem vale a pena a dizer que é óbvio que tens toda a razão.

Joana disse...

Toda e mais alguma! Este país de inhos não se aguenta. Parabéns pelo post, é mesmo isto.

Anónimo disse...

Parabéns pelo Post! Sou fã da Cocó e por isso vim aqui parar.

O que é mais assustador é que a sociedade aceita melhor um marido que bate na mulher do que duas pessoas do mesmo sexo que só querem ser felizes juntas!

Enfim... Mas acredito que lentamente o mundo há-de mudar para melhor!

Micas

@me@@@ disse...

muito bom este post... mereceu de facto o destaque!

mãe disse...

Pois o cócó tem muita força tem, tem, mas o post está muito bem escrito, o assunto é pertinente e o Zapatero dava cá um certo jeito, pois dava...

Carlos Duarte disse...

Ora deixem-me cá atirar lume para a fogueira:

O único motivo compreensível para a aceitação de casamento entre pessoas do mesmo sexo prende-se com direitos "legais" que as mesmas não beneficiariam quando cobertas pelo regime de união de facto, nomeadamente em termos de herança (nas duas diversas vertentes) e direitos de visita (ex. hospitais).

Concordo plenamente com a atribuição desses direitos... desde que lhe chamem contrato de coabitação e seja extensível a irmãos, tios e sobrinhos, pais e filhos que vivam juntos, excluídos de eventuais famílias alargadas.


Se assim não for, acho a ideia completamente descriminatória e, de certa forma, propagandistica de uma minoria.

Isabel disse...

Em Portugal não existem casamentos em Cartórios.

Anónimo disse...

O Sr. Carlos Duarte tocou no ponto, nada a acrescentar!!

Anónimo disse...

Conversa de merda é o que é!

orquídea disse...

Há sempre uns argumentos que elucidam e deixam-me extasiada de tanta pungência.... É este e um também muito popular do "tenham juízo".

a trapezista disse...

Tem razão, Isabel. Conservatórias do registo civil. Mil perdões, sim?

gata disse...

então o casamento resume-se a isso? heranças e visitas no hospital? é por isso que as pessoas (sejam de que sexo forem) se casam? bem, se alguém diz isto não me admira que também compare um casal com a relação entre irmãos ou outros familiares. não se trara de coabitação. para isso posso ter um piriquito. trata-se de amor, partilha, projecto de vida, construir uma família, compromisso...
(e se fosse só isso, se fossem só motivos legais, porque é que são válidos para uns casais e não para outros?)

gata disse...

então o casamento resume-se a isso? heranças e visitas no hospital? é por isso que as pessoas (sejam de que sexo forem) se casam? bem, se alguém diz isto não me admira que também compare um casal com a relação entre irmãos ou outros familiares. não se trara de coabitação. para isso posso ter um piriquito. trata-se de amor, partilha, projecto de vida, construir uma família, compromisso...
(e se fosse só isso, se fossem só motivos legais, porque é que são válidos para uns casais e não para outros?)

Nelson Soares disse...

Absolutamente brilhante!

Filipa disse...

nem mais uma palavra a acrescentar... :)

Carlos Duarte disse...

Cara Gata,

O casamento "civil" (do ponto de vista do Estado / legal, portanto) resume-se efectivamente a isso, uma vez que a ideia de fomentar a família como núcleo societal está algo "démodé".

Quanto ao " amor, partilha, projecto de vida, construir uma família, compromisso" porque é que, digamos, dois irmãos não o podem fazer?

De um ponto de vista "legal", concordo em pleno com as reivindicações - partindo do príncipio que elas são, efectivamente, universais.

Do ponto de vista afectivo (que é para não dizer sexual), acho que o Estado não tem nada a ver com o assunto.

LAC disse...

Juro que não entendo - e não estou a ser irónico -. Se o casamento civil é um contrato, que está tipificado na Lei quase " ad eternun", que pressupõe que seja celebrado entre pessoas de sexo diferente proque raio alguns hão-de querer que se mude este conceito?! Então as uniões de facto não protegem já os direitos e obrigações que são também os efeitos tipicos dos efeitos patrimoniais do casamento?!
Sem ter o objectivo de discriminação, não percebo que tenhamos que ter coisas iguais para coisas diferentes...porque é mesmo de coisas diferentes que estamos a falar. E a diferença não importa discriminação!
As atitudes dos hetero, dos homo, dos sei lá quê devem ser compativeis com o respeito do ser humano pelo ser humano enquanto tal e ainda com civismo, com urbanismo e acima de tudo com solidariedade...o resto são bandeiras e tenho pena dos que para se fazerem respeitar tenham que destruir uma instituição ou que precisem de um papel de notário para se fazerem aceitar...

Carochinha disse...

E os homossexuais que eu conheço e que estão casados com pessoas de sexo diferente!... Não se aguentam de tanta infelicidade!
Somos uma país de "Faz de Conta" (como a história da Carochinha)!
Faz-se de conta que ninguém fuma charros, faz-se de conta que ninguém mete dinheiro ao bolso, faz- se de conta que vivemos felizes como marido e mulher, faz-se de conta que somos ricos... And soy on and soy on!

Margarida disse...

Espanha é "bem" um país, o que não é é uma nação.
Bom texto.

Sandra disse...

Acabei de ver "O momento da verdade" onde os homossexuais foram chamados de doentes e anormais...

Quando o país ainda está neste estado lastimável, acho que ainda temos um looooooooooooooongo caminho a percorrer até podermos falar abertamente de casamento entre homossexuais ou adopção de crianças por homossexais, o que é um tema ainda mais polémico!

Anónimo disse...

Vim cá por causa do cocó e por causa deste post adiei a ida ao wc lolol porque realmente... quem escreve assim não é ... gago?

É incrível que em pleno ano de 2008 ainda se assistam a certas manifestações horrendas de falta de civismo, consciência social, savoir-vivre... Live and let live, pessoal!

É certo que cada um tem direito a ter a sua opinião, mas quando esta é sustentada apenas pela ignorância... epá ainda "temos" um longo caminho a percorrer MESMO. Este assunto é o exemplo mais recente e mediatizado de momento... mas atente-se na falta de educação das pessoas no seu dia-a-dia... começa logo por aí. Nem quero imaginar como será em casa. Fico parva... Bolas podia escrever até mais não, agora...Mas são quase 2 da manhã e tenho que ir dormir.

Brava, cara blogueira. Brava!