sexta-feira, 14 de novembro de 2008

É assim Neruda

Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.

2 comentários:

S.Tear disse...

e quando o coração passa do fogo ao frio?

R.L. disse...

é assim Neruda... mesmo. *